O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Luís Felipe Salomão, enviará hoje ao Tribunal de Justiça da Paraíba o caso do governador do estado, Ricardo Coutinho (PSB), que estava sendo analisado na Corte. Salomão se baseou na decisão da semana passada do Supremo Tribunal Federal (STF) de restringir o foro privilegiado de deputados federais e senadores.

O ministro do STJ entendeu que, pelo princípio da simetria, a restrição também vale para os governadores que têm foro privilegiado no tribunal. Esse é o primeiro caso, de acordo com o STJ, em que a Corte aplica a restrição do foro.

Pela decisão do STF, deputados e senadores só manterão o foro privilegiado em processos sobre crimes ocorridos durante o mandato e relacionados ao exercício do cargo parlamentar. O ministro Salomão avaliou que o caso do governador deve ir ao Tribunal de Justiça da Paraíba porque se trata de um processo sobre suposto crime cometido antes do cargo atual, quando Coutinho era prefeito da cidade de João Pessoa.

O governador é investigado por uma suposta prática de 12 crimes de responsabilidade de prefeitos, decorrente da nomeação e admissão de servidores contra expressa disposição da lei, ocorridos entre janeiro e fevereiro de 2010. Os delitos, em tese, não têm ligação com o exercício do atual mandato nem foram praticados em razão da função pública atualmente exercida por Coutinho.

Na prática, com a decisão, o STJ começa a aplicar o entendimento novo do Supremo sobre o foro privilegiado também para casos de governadores. Um dia após o Supremo ter decidido pela restrição do foro privilegiado de deputados e senadores, o ministro do tribunal Dias Toffoli remeteu às instâncias inferiores da Justiça seis casos de parlamentes que estavam sob relatoria dela. Toffoli entendeu que os seis casos se encaixavam nos critérios de perda de foro no STF. Os outros ministros ainda não remeteram processos que estejam sob suas relatorias para as instâncias inferiores. A tendência no tribunal é que, à medida que os relatores identifiquem quais casos perderam o foro, os réus passem a responder nas instâncias iniciais.